Campanha para arrecadar fundos para pagar o translado do corpo de rondoniense morta na fronteira dos EUA

175
Norte Urgente: Informação, na velocidade da notícia.
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Lenilda dos Santos, de 49 anos, de Rondônia, foi encontrada morta nessa quinta-feira, 16, em uma área desértica no estado do Novo México. A pedido da família e de amigos, uma campanha foi criada para arrecadação de fundos para repatriação do corpo de Lenilda. Foto: GofundME

A brasileira Lenilda dos Santos, de 49 anos, de Rondônia, foi encontrada morta na quinta-feira, 16, em uma área desértica no estado do Novo México, próximo à fronteira dos EUA com o México.

De acordo com a polícia local, seu corpo foi encontrado ao sul de Deming, no Condado de Luna. Agentes da fronteira disseram ao jornal local Headlight que ela portava um passaporte brasileiro, o que tornou mais fácil sua identificação.

“Esta é uma das situações mais tristes que já vi”, disse o capitão do gabinete do xerife do condado de Luna, Michael Brown, após a descoberta do corpo na quarta-feira.

“Ela estava a cerca de 400 metros de uma residência”, completou.

Lenilda tinha familiares em Massachusetts. Eles disseram aos policiais nesta sexta-feira que ela ligou para a família e disse que estava separada do grupo, sem água e temia estar morrendo. Segundo relatos, Dos Santos deu à família tanto nos EUA quanto no Brasil sua localização, mas que não foi compartilhada com a polícia por três dias.

Após dias de busca a pedido de familiares que denunciaram o seu desaparecimento, agentes da patrulha de fronteira dos EUA designados para a Estação Deming patrulharam o deserto ao sul da cidade na quarta-feira e pegaram rastros que levaram à descoberta do corpo. Ela vestia traje camuflado, roupa comum entre imigrantes que tentam a travessia.

“Isso é algo que vemos continuamente”, disse Brown. “É muito triste que coiotes (traficantes de pessoas) de organizações criminosas do narcotráfico estejam encontrando maneiras de ganhar dinheiro às custas de vidas humanas.”

Técnica de enfermagem

Lenilda era técnica de enfermagem Vale do Paraíso, Rondônia, tem duas filhas e tentava ir para Ohio. Ela estava com um grupo de amigos de infância, quando foi abandonada por eles sem água e comida no dia 7 de setembro, logo após iniciarem a travessia.

“Não se faz isso nem com nem com cachorro, como é modo de falar. Quero dizer, não se pode maltratar animais, então como que se larga um ser humano no deserto sem comida, sem água? Você não tem noção da dor que é isso. É muito difícil”, disse ao jornal O Globo, Leci Pereira, irmão da vítima.

Em mensagem a parentes, Lenilda disse que não aguentava mais caminhar. Então decidiu parar, mas o grupo de supostos amigos seguiu em frente com a promessa de voltar para buscá-la. Na terça-feira (7), a técnica de enfermagem clamou por água aos amigos.

“Ela mandou mensagem para a amiga que a largou, dizendo: “pede pra eles trazerem água, que não estou mais aguentando de sede”, afirmou o irmão. No entanto, nenhum dos amigos retornou.

Campanha

A pedido da família e de amigos, uma campanha foi criada para arrecadação de fundos para repatriação do corpo de Lenilda. Clique aqui para acessar link de doações

Aumento de brasileiros

O número de brasileiros que tentam a travessia ilegal para os EUA pela fronteira com o México aumentou este ano e vem mudando os padrões de travessias ilegais cometidas anteriormente mais por pessoas do México ou de países da América Central.

De acordo com dados da Patrulha de Fronteira dos EUA, só na Califórnia, os agentes prenderam um número sem precedentes de brasileiros cruzando ilegalmente a fronteira no Setor de San Diego este ano.

Foram mais de 7.300 brasileiros desde outubro de 2020. Em contraste, os agentes prenderam apenas 330 cidadãos brasileiros em todo o ano fiscal de 2020.

Em maio, 7.372 brasileiros foram encontrados na fronteira sul, ante 912 em fevereiro.

Todos os meses, desde abril, foram mais de 1.000 brasileiros entrando ilegalmente nos EUA – um aumento colossal de 114.000% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando apenas seis brasileiros foram presos.

Via – Gazeta News

Fonte: Jornal Rondônia vip




Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code

Don`t copy text!